quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Navegar é preciso

Júlia é uma garotinha bem bacana. Uma amiga que minha filha adora! Neste momento, ela deve estar na popa de um grande navio, rumo ao Brasil, procurando avistar algum peixinho interessante no mar. Que grande aventura! Meses antes, ela tinha feito este desenho para me contar como imaginava que seria a viagem.
No céu, um avião da SwissAir cruza os ares, na medida certa para aqueles mais apressadinhos, que não são pacientes o bastante para se permitir tal deleite, apreciando a paisagem. Há ainda umas poucas nuvens esparsas, perdidas num dia ensolarado, sobre a imensidão do oceano.
A mim, só me resta a possibilidade de observar daqui da minha escotilha: vejo-os todos (toda a família da Júlia) se lançando destemidos num futuro prenhe de promessas. A vida tem sido generosa comigo: como é bom ter amigos tão estimados e com quem aprendo tanto. Vitória, vitória, e assim recomeça a história: o desenho foi para a porcelana, virou lembrança da nossa feliz convivência. Qualquer dia a gente se vê. Boa sorte, meus caros!

4 comentários:

Inaie disse...

que lindo rejane!!!! MAs amigos de verdade sao sempre asiim, a distancia nao os separa de nos!

tia Madalena disse...

Muito lindo mesmo!!! e o mais lindo é o dom de transformar a saudade em porcelana, a tristeza em desenho...enfim...traduzir-se.
Parabéns!!!

Marcia Paris disse...

Minha nossa!! Me deu tanta saudade de vc hoje que resolvi vir aqui. Ainda não tinha lido o texto!! Ai que saudade...beijos e apertos

Bruno Haller disse...

Rejane Rejane... sabe como tocar o coração das pessoas. Agora, meses depois de aportarmos no Brasil é que descubro este post.

Obrigado pela amizade e carinho, vocês certamente foram uma grande pérola que pudemos cultivar nestes tempos morando longe :)
O prato está devidamente pendurado na parede da sala, e sempre da o que falar e contar!

Sempre com saudades... Julia, Marcia e Bruno